Google AdSense

Câmara abre inquérito para apurar irregularidades envolvendo vereadores


A Câmara dos Vereadores de Leme instaurou na segunda-feira (14) duas Comissões Especiais de Inquérito (CEIs) para apurar denúncias contra dois vereadores. Uma delas é sobre superfaturamento em compras, enquanto a outra se trata de furto. Procurados pelo G1, ambos os vereadores negam as acusações e afirmam se tratar de perseguição política.

As denúncias foram feitas por um morador. Em uma delas, o vereador José Eduardo Giacomelli (PR), mais conhecido como Zé Giacomelli, é acusado de ter comprado um arquivo morto superfaturado entre R$ 12 mil e R$ 15 mil, enquanto atuava como presidente da Câmara em 2014. Supostamente, a Câmara teria pago R$ 80 mil para a empresa fornecedora.

O vereador nega a compra e afirma que não existem provas e documentos que comprovem a ação. “Estou muito tranquilo em relação a isso, mas eu quero que ele comprove sobre o que está denunciando, porque é algo muito fútil, irrelevante e sem argumentos. A intenção de quem denunciou é manchar a minha figura por causa do escândalo da zona azul e dos vereadores que denunciamos”, disse Giacomelli.

A outra acusação aponta um suposto furto de dois baldes de uma loja de R$ 1,99 pelo vereador e corregedor da Câmara de Leme, Osvair Antunes da Silva (SSD). O denunciante afirma possuir um boletim de ocorrência registrado no dia 29 de julho e imagens da ação. Silva, no entanto, afirma que a denúncia é mentirosa e tudo se trata de perseguição dos vereadores prejudicados. “Isso é uma inverdade, calúnia. Estão querendo me prejudicar porque foram prejudicados. Meus advogados já estão averiguando todas as acusações, inclusive a existência desse vídeo falso, foi tudo armação”, relatou.

Segundo os dois vereadores, a perseguição está sendo feita por outros vereadores acusados de não pagar a Zona Azul no município. “Eles registravam os carros pessoais como sendo oficiais para não pagarem a zona azul, mas nós descobrimos e abrimos um inquérito para investigação. Eles tentaram arquivar, mas não conseguiram, agora querem nos prejudicar”, concluiu Silva.> (fonte: G1 São Carlos)