Google AdSense

Moradores do Jardim das Palmeiras gravam descarte irregular de lixo e cobram limpeza

Cansados do lixo espalhado na estrada e nos terrenos do Jardim das Palmeiras, moradores de Leme decidiram gravar o descarte irregular e denunciar a prática. A Prefeitura diz que recolhe os materiais periodicamente, mas faltam fiscais.

O vídeo mostra dois homens chegando com um carrinho de coleta de recicláveis. Um deles começa a arremessar materiais como madeira e plástico para trás e termina o descarte sem receio ou pressa.

Além do material da dupla, o espaço reúne todo tipo de lixo e assusta a população. "Limpam e no outro dia, quando você acorda, já tem sacos, lixo", disse a dona de casa Maísa Cristina Villa. Ela teme pela saúde das duas filhas pequenas e não quer voltar a ter dengue. "Pegar mais forte, a hemorrágica, as consequências dela, até uma morte".

Maísa foi diagnosticada com dengue em 2013, quando a cidade enfrentou uma epidemia. Os focos da doença ficaram concentrados nos bairros mais afastados e surgiram denúncias de descaso do poder público.

Na época, as unidades de saúde registravam dezenas de casos suspeitos por dia. Foram mais de 4 mil confirmações. Houve mutirão, operações para recolher entulho e campanhas de conscientização, mas, pelo cenário encontrado na cidade nesta sexta, os efeitos não duraram.

No bairro Graminha, atrás de uma escola de educação infantil, há acúmulo de sujeira e o mau cheiro é forte. Para dificultar ainda mais a respiração, colocaram fogo nas folhas secas e os restos da queimada se misturam com alimentos, galhos, móvel velho, cimento e pneu.

Na rua de terra que liga o Graminha ao Jardim Imperial, mais lixo. São pelo menos 300 metros de sujeira, montes atrás de montes que terminam bem perto das casas.

Prefeitura


A Secretaria de Meio Ambiente informou que faz a limpeza dessas áreas e que, no caso do Jardim das Palmeiras, a área é particular e o dono vai ser notificado. Sobre o terreno atrás da escola, disse que foi feita uma grande retirada de materiais há cerca de dez dias e a operação será repetida no começo da semana que vem.

Já na rua tomada pelo lixo, o secretário disse que a situação é mais difícil porque há muito descarte. "A limpeza foi feita há uns 60 dias. Nos assusta a maneira como a população descarta de maneira irregular todos esses produtos", afirmou Israel Lavezzo.

Lavezzo também disse que é complicado multar os responsáveis porque o código de postura está desatualizado e faltam fiscais. "Nós temos feito todo o possível para atender a demanda".