Família faz B.O. por falta de atendimento na Santa Casa de Leme - Plantão Lemense

01/04/2016

Família faz B.O. por falta de atendimento na Santa Casa de Leme

Uma família de Leme registrou boletim de ocorrência alegando omissão de socorro após não conseguir realizar o parto na maternidade local e passar por dificuldades durante o processo de transferência. Segundo o hospital, a maternidade suspendeu os atendimentos por causa de atrasos no pagamento dos médicos.

“Chegamos ao hospital com minha mulher em trabalho de parto às 4h e depois de muitas tentativas começamos a ver uma complicação séria nesse meio tempo. Nas palavras que ouvimos de médicos, o parto foi retardado e chegou ao ponto de ter que fazer uma bateria de exames. Ele nasceu por volta das às 11h30 e eu só fui ver meu filho 16h”, explicou o pastor Denis Wilker Barbosa Forsato.

Maternidade fechada

Toda a demora aconteceu porque a maternidade da Santa Casa da cidade estava fechada quando foram até o local durante uma emergência. Os pais só conseguiram uma vaga em uma clínica particular em Araras após muitas tentativas de conseguir a transferência.

“Ligaram em Pirassununga, na Santa Casa de Araras, em todos os lugares, só que eles já estão superlotados com os próprios pacientes de Leme, até conseguirmos essa clínica em que recebemos todo o apoio e aparato necessário”, disse Forsato.

Com toda essa demora, o pai resolveu registrar boletim de ocorrência como omissão de socorro. “Meu desespero foi muito grande, eu não sabia o que estava acontecendo. A gente ouve que vai dar tudo certo, mas todo esse transtorno causado afeta a criança, afeta a mãe e acaba complicando esse período tão importante”, concluiu o pastor.

Pagamentos atrasados

A paralisação dos médicos foi anunciada há um mês. Eles pedem o pagamento de alguns salários que estão atrasados, desde 2014, na gestão anterior. O responsável pela intervenção do hospital, Vanderlei Bazílio do Nascimento, explicou que está sendo feita uma análise nas dívidas que somam cerca de R$ 2 milhões do hospital com os médicos.

“A gente continua atendendo no sistema de urgência e emergência e procurando uma equipe substituta. Assim que tivermos isso em um prazo máximo de 5 cinco dias, vamos continuar com o atendimento padrão e nos casos mais urgentes teremos os médicos para fazer esse atendimento”, explicou.



Família faz B.O. após não conseguir realizar parto na maternidade de Leme - (Reportagem exibida no Jornal da EPTV e Bom Dia Cidade - Central em 1º/04/2016
Publicado por Plantão Lemense em Sexta, 1 de abril de 2016