Publicidade

Gaeco e Polícia Civil realizam Operação Nexus contra criminosos que atuam no interior


Foi deflagrada na manhã desta terça-feira (28/08) a Operação Nexus, decorrente de trabalhos desenvolvidos em cooperação e com atuação integrada do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) e da Polícia Civil, por meio do Departamento de Polícia Judiciária de São Paulo Interior - 9 (Piracicaba).

Ao todo, 108 investigados foram denunciados em 17 ações

A operação tem por objetivo investigar, processar e obter a condenação de pessoas ligadas à facção criminosa conhecida como PCC (Primeiro Comando da Capital) pela prática do crime de integrar organização criminosa, cuja atuação se dá mediante emprego de arma de fogo. As investigações tiveram por origem material apreendido pela Polícia Civil de São Paulo em outras operações, como diversos documentos considerados “cadastros de batismo” de integrantes do grupo. A partir desses cadastros, diligências complementares foram realizadas para identificação e confirmação do envolvimento criminoso dos “batizados” com a facção.

Para o desenvolvimento dos trabalhos da Operação Nexus, foram instaurados 17 inquéritos policiais, presididos por quatro delegados de polícia titulares das Delegacias de Investigações Gerais de Piracicaba, Limeira, Rio Claro e Americana. Nesses inquéritos, foram identificados integrantes do PCC nas sedes e em cidades que compõem as respectivas regiões, como São Pedro, Rio das Pedras, Capivari, Araras, Leme, Cordeirópolis e Santa Bárbara d'Oeste.

Ao final das investigações, a Operação Nexus resultou na propositura de 17 ações penais pelo Ministério Público, distribuídas em diversas comarcas. Foram denunciados 108 investigados como integrantes do PCC, sendo que muitos já se encontravam presos em razão da prática de outros crimes. Atendendo a representações da Polícia Civil e requerimentos do Ministério Público, o Poder Judiciário decretou 86 prisões preventivas e autorizou o cumprimento de buscas e apreensões em 24 endereços ligados aos acusados.

De acordo com o G1 na região foram decretadas 19 prisões preventivas, sendo 12 em Rio Claro, 4 em Araras e 3 em Leme. Desses pedidos, um homem foi preso em Rio Claro e outros dois estão foragidos. A identidade deles não foi divulgada. Os outros investigados já estão presos. 

Nesta terça, foram cumpridos vários mandados de busca e apreensão domiciliar e de prisão preventiva. Dentre os acusados que estavam em liberdade, nove foram presos. Aqueles que não foram localizados passam a ser considerados foragidos da Justiça, podendo ser presos a qualquer momento. Diversas prisões estão sendo cumpridas nos próprios estabelecimentos penitenciários em que os acusados se encontram. 

Durante o cumprimento dos mandados de busca e apreensão, foram localizados e apreendidos diversos aparelhos celulares, chips (sim card), anotações relacionadas à facção criminosa, bem como, com alguns dos investigados, drogas e objetos em quantidade e características indicativas da prática do crime de tráfico. Nesses casos, os envolvidos foram também presos em flagrante delito.

Os trabalhos relacionados à Operação Nexus prosseguirão tanto para localização e prisão dos acusados que se encontram foragidos, quanto na fase judicial, em que as provas produzidas nos inquéritos policiais serão confirmadas em Juízo para obtenção das condenações. Fonte: Ministério Público do Estado de São Paulo

COMENTE:

0 Comentários